Alunos de Administração e Direito refletem sobre os direitos humanos e cidadania

Postado em: 04/04/2018

            O curso de Administração da UNIFIPA promoveu no dia 27 de março último, às 19h30, no Câmpus São Francisco, para 150 alunos dos primeiros anos dos cursos de Administração e Direito, evento do projeto de extensão "A arte como estímulo à reflexão sobre os direitos humanos e cidadania”, organizado pelas professoras Maria Tereza de França Roland, responsável pelo projeto, e Beatriz Trigo, colaboradora.

            O projeto tem por objetivo provocar a reflexão e o debate interdisciplinar sobre questões ligadas à defesa dos direitos humanos, à valorização das diversidades humana e cultural e ao exercício da cidadania. Cada um dos quatro eventos programados engloba leituras preparatórias e a seleção de uma obra artística (literatura, cinema, pintura, música, teatro etc.) instigadora para motivar as reflexões e os debates.

            Para esse primeiro evento os alunos leram prévia da Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU e dos capítulos iniciais da obra Direitos humanos e cidadania, de Dalmo de Abreu Dallari, realizadas durante o mês de março, e com uma palestra introdutória proferida pela Profª Beatriz Trigo e a sessão de cinema com o filme “O ano em que meus pais saíram de férias”, de Cao Hamburger. O filme mostra as relações entre o momento histórico (ditadura militar e copa do mundo) e universos individuais e sociais distintos (o garoto, apaixonado por futebol;  a comunidade judaica, com suas tradições integradas à cultura nacional).

Em depoimentos, os alunos comentaram sobre as relações humanas, a importância de respeitar as diferenças para a convivência em harmonia, o uso de atrativos como forma de alienação das massas para situações políticas importantes, além de igualdade de direitos.

            “Somos tão diferentes, com ideias, pensamentos e falas, que seria difícil conviver sem ao menos entender as diferenças dos outros e respeitá-las. Enxergar o lado do outro é a maior reflexão que se pode ter”, disse Juliane Rodrigues dos Santos, do 1º ano de Administração.

            “Promover a reflexão acerca de um tema desenvolve um senso crítico mais criterioso, o que contribui para uma formação profissional mais qualificada. O mesmo vale para a formação humana, já que faz pensar nas relações humanas,” opinou Henrique Melotto Peres, do 1º ano A de Direito. Já Laren Nascimento, do 1º ano B de Direito disse que “O evento contribuiu para a minha formação ao me estimular a fazer valer os meus direitos e os direitos dos outros. O filme retrata o futebol como uma maneira de alienação das massas, que não devia se preocupar com os acontecimentos políticos do país nem buscar garantias de seus direitos”.