31/10/2016
SAEME CONFERE AO CURSO DE MEDICINA O PARECER “ACREDITADO”






            O Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Associação Brasileira de Educação Médica (ABEM), reafirmando os seus compromissos com o exercício profissional ético e a formação de médicos competentes e adequados às necessidades do país, uniram-se para o desenvolvimento e implementação do Sistema de Acreditação dos Cursos de Medicina no Brasil (SAEME).

             Ancorado na ética, transparência, independência, qualidade e responsabilidade social que são os valores que norteiam a iniciativa, o SAEME nasceu da demanda de maior participação das escolas médicas, das entidades profissionais e da sociedade no desenvolvimento de uma visão crítica sobre a qualidade da formação médica no Brasil e da necessidade de apresentar à sociedade um processo de acreditação transparente e independente.

             O processo de avaliação é baseado em indicadores de qualidade dos cursos, organizados em cinco dimensões: Gestão Educacional, Programa Educacional, Corpo Docente, Corpo Discente e Ambiente Educacional.

             Em 2015, o Curso de Medicina das FIPA inscreveu-se voluntariamente neste processo e, em 2016, foi realizada a autoavaliação, a apresentação das evidências e a visita de uma comissão avaliadora composta por quatro membros. No final do processo, o SAEME conferiu ao curso de Medicina das Faculdades Integradas Padre Albino o parecer “ACREDITADO”, que corresponde a um certificado de qualidade, com validade nacional e internacional.

             De acordo com o parecer final do SAEME, “a visita permitiu entender melhor as relações do Curso de Medicina das FIPA com a Fundação Mantenedora e com a cidade de Catanduva. Essa relação, que tem já muitas décadas, explica muito da inserção de um Curso de Medicina em Catanduva. Pode se dizer que o desenvolvimento da rede de cuidado e de formação em Catanduva provém principalmente do interesse de Padre Albino pela saúde, pelos hospitais e pela formação em medicina. Não existem na cidade outros cursos de Medicina, nem outros hospitais públicos fora da Fundação Padre Albino. Algo muito positivo que revelado ao longo da visita foi o interesse e a dedicação do corpo docente e de funcionários à instituição, além do esperado para uma instituição privada. Isso se traduz em vários aspectos relacionais como, por exemplo, “fazer bem as coisas”, que supera inclusive o que aparece na autoavaliação do curso. A equipe de avaliadores apreciou muito esse componente e agradece o interesse e o esforço em conduzir o processo prévio ao momento da visita, com profissionalismo e muito interesse em participar de forma transparente da avaliação”. O parecer termina dizendo que a “preceptoria no internato médico pode ser considerada modelo pela relação privilegiada preceptor-aluno nos variados cenários de prática, podendo inclusive ser compartilhada com outras IES”.

             O Parecer Final é assinado pelo renomado médico e professor de medicina da USP, Prof. Dr. Milton de Arruda Martins, Coordenador do Sistema de Acreditação das Escolas Médicas – SAEME.

             A Profª. Drª. Terezinha Soares Biscegli, Coordenadora do Curso, ficou muito satisfeita com o resultado desta avaliação externa e agradece a todos os docentes, discentes, funcionários e dirigentes institucionais, assim como aos gestores dos hospitais da FPA, gestores do sistema de saúde local e participantes da comunidade que registraram seus depoimentos honestos, transparentes e que de uma forma ou de outra se empenharam em mostrar uma realidade na qual o curso confia e se dedica dia-a-dia para tornar melhor!

            

Sair