Nova ressonância magnética

Dando continuidade ao projeto de melhorias contínuas na prestação de serviços de saúde à comunidade de Catanduva e região, o Hospital Padre Albino encontra-se na eminência de disponibilizar uma nova máquina de Ressonância Magnética. Trata-se de uma Magnetom Avanto, de 1,5T e sistema de gradiente de 33 MT/M da marca Siemens, para exames de corpo inteiro, com sistema de RF digital e sistema completo de diagnóstico por visualização de ressonância magnética.
Esse novo equipamento, além da significativa melhoria da qualidade dos exames, que dará mais confiabilidade aos diagnósticos, permitirá também um acréscimo da ordem de 120% no volume de exames diários. Passaremos dos atuais 30 exames diários, em média, para cerca de 66 exames diários. Além disso, exames que hoje não são feitos como, por exemplo, os que exigem sedação do paciente, poderão ser realizados, uma vez que como demandam muito tempo de permanência do paciente no equipamento, com uma só máquina não era possível sua realização. Como a máquina atual não será desativada, esses exames terão plenas condições de execução.
Com isso, a Fundação Padre Albino mais uma vez é pioneira na aquisição de tecnologia em beneficio da saúde de Catanduva e região.
O novo serviço está prestes a entrar em funcionamento e será um dos mais modernos conjuntos de imagens e softwares da nossa região. Com ele será possível a realização de exames de forma mais rápida e precisa, contando com avançados recursos para estudo das mais variadas patologias nos diversos sistemas do corpo humano. Em alguns casos haverá a possibilidade das lesões serem identificadas em estágio mais precoce, contribuindo para maior eficácia no tratamento e melhor prognóstico das doenças. Em outros casos, utilizando-se determinados softwares, como a difusão, a espectroscopia de prótons e a perfusão, a natureza de uma lesão poderá ser definida antes mesmo do diagnóstico definitivo, que somente é possível através do estudo anatomopatológico em algumas situações. Dessa forma, como o próprio nome do aparelho sugere, haverá um grande avanço em recursos tecnológicos no diagnóstico por imagem.
Quem ganha com isso? Toda a população, seja ou não usuária do SUS. Estes, inclusive, terão o mesmo serviço de qualidade do paciente particular ou conveniado, sem custo algum. Ou seja, o hospital melhorará significativamente a qualidade e a quantidade dos exames e continuará a receber o mesmo valor do SUS. A diferença será totalmente custeada pelo hospital.
Por isso, a Fundação Padre Albino, assim como todas as demais Santas Casas e Hospitais Filantrópicos do Brasil, precisa manter campanhas permanentes de captação de recursos junto à sociedade e iniciativa privada. Concordamos que o paciente tem direito ao que há de melhor em termos de serviço de saúde, mas isso tem um custo e geralmente um custo muito elevado.
O índice inflacionário do setor de saúde costuma ser sempre superior ao dos demais setores. Como o governo federal não ajusta a tabela há anos, alguém tem que pagar essa conta e, sozinhos, os hospitais não aguentam. Ainda assim não abrimos mão de sempre que possível implantar melhorias para os usuários dos hospitais da Fundação Padre Albino.


José Carlos Rodrigues Amarante
Presidente da Diretoria Administrativa
da Fundação Padre Albino

Sair