As eleições municipais e seus reflexos na Fundação Padre Albino

No momento em que escrevo este editorial, as eleições municipais ainda não ocorreram; portanto, sem ter a mínima ideia dos vencedores do pleito. Mesmo sendo uma entidade apolítica, a Fundação se interessa pelos resultados que serão revelados nas urnas não só no Município de Catanduva, mas também nos outros 18 municípios que compõem sua área de atendimento em saúde. O motivo, como não poderia deixar de ser, é se os novos mandatários municipais vão cumprir a responsabilidade de seus respectivos municípios no que tange a assistência à saúde básica da população. Cabe à Fundação o atendimento no nível terciário da saúde pública; porém, um atendimento básico eficiente pode evitar superlotação e demora no atendimento nos hospitais.
Durante a curta campanha eleitoral deste ano tivemos a honra de receber os quatro candidatos a prefeito de Catanduva em reuniões ordinárias da Diretoria Administrativa. Ouvimos atentamente suas propostas e planos de trabalho, sobretudo as relacionadas à área da saúde. Todas elas indistintamente preveem bom relacionamento com a Fundação Padre Albino nessa área, compostos por seus hospitais Padre Albino e Emílio Carlos, o Ambulatório Médico de Especialidades (AME) e o Recanto Monsenhor Albino. Todos os quatro demonstraram espírito colaborativo e disposição para parcerias voltadas à eliminação de filas em algumas especialidades e qualidade no atendimento.
Também reafirmaram parcerias com as Faculdades Integradas Padre Albino, em especial com a Faculdade de Medicina de Catanduva, para que seus alunos de internato possam estagiar nas Unidades Básicas de Saúde, Postos de Saúde da Família (PSF) e Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Sem dúvida, um grande avanço, tanto para a formação adequada dos novos profissionais médicos, como forma de agilizar os atendimentos nesses equipamentos de saúde. Quem ganha é a população.
Mesmo sabendo que na prática essa boa vontade dos candidatos não se traduz necessariamente em ações, a Fundação não pode e nem deve subestimá-las. Afinal, a população depende de que essas promessas sejam cumpridas. Os serviços de saúde oferecidos pelos nossos hospitais são os de média e alta complexidade para pacientes referenciados, ou seja, aqueles que tiveram seus agendamentos realizados pelo SUS diretamente aos hospitais ou através dos equipamentos municipais (postos de saúde, UPA, PSF). Outros casos vêm pelo Ambulatório Médico de Especialidades desde que sua porta de entrada também tenha sido por um desses equipamentos. Se houver falhas ou deficiência na prestação desses serviços na ponta, isto é, no município, haverá reflexo no atendimento hospitalar e, consequentemente, prejuízo ao paciente. Daí a necessidade de sincronismo e eficiência na saúde básica, pois quanto mais rápido e eficiente for a atenção primária, maior a chance de um tratamento mais célere e consequentemente a cura.
Por ser contratualizada pelo Estado, a Fundação Padre Albino não depende diretamente dos recursos municipais, muito embora acabe realizando os serviços primários na saúde básica que os municípios não conseguem dar conta. Nem por isso os municípios da região têm colaborado, repassando vez ou outra algum recurso no sentido de minimizar os déficits dos hospitais. Por isso, seja lá quem for o eleito, a Fundação torce para que olhe com muito carinho para essa tão desprezada área de saúde pública, que tantos dissabores tem proporcionado à população. De sua parte, a Fundação Padre Albino sempre se colocará à disposição para ajudar naquilo que for possível, sem assumir responsabilidades alheias.
No que tange às nossas responsabilidades, a Fundação as abraça com muito vigor e dedicação a exemplo do recém lançado Hospital do Câncer de Catanduva, que aos poucos vai se tornando realidade. As dificuldades são imensas, mas a população tem demonstrado sensibilidade à causa, muito mais do que o Poder Público. Até o presente momento, à exceção da Prefeitura de Fernando Prestes, nenhuma outra promoveu qualquer evento no sentido de viabilizar o mais rápido possível a implantação do HCC.
Em contrapartida, muitas cidades da região têm realizado leilões de gado promovidos pela própria população através de suas ONGS, cujos recursos são destinados ao Hospital de Câncer de Barretos, e têm nos convidado para participar. Dessa forma temos conseguido muitas cabeças de gado para o nosso leilão do próximo dia 23/10. Leilão este que foi idealizado e está sendo todo arquitetado pelo Clube dos Bravos, mais uma ONG sem nenhum vínculo com o poder público e que também abraçou irremediavelmente a causa do HCC.
Assim como acabamos de comemorar a XXV Semana Monsenhor Albino com muita atividades, reconhecimentos e comemorações – e com notícias também alvissareiras, já que conseguimos aumentar a oferta de vagas na Faculdade de Medicina, passando a partir de agora para 100 (cem) vagas anuais – esperamos também comemorar junto com a população uma administração municipal honesta, eficiente, proba e voltada para a reais necessidades do povo. Passou da hora de deixarmos de acreditar em promessas falsas e administradores não comprometidos. Mas isso só depende de nós mesmos. Como diz o ditado, voto não tem preço; tem consequência.

José Carlos Rodrigues Amarante
Presidente da Diretoria Administrativa 

Sair