A trajetória filantrópica da Fundação Padre Albino

Estando próximo o final de mais um ano, naturalmente começamos a pensar nos preparativos dos festejos que marcam esta época, quando comemoramos o natalício de Nosso Senhor Jesus Cristo, conhecido por Menino Jesus, e também a passagem do ano velho para o ano novo. Para a imensa maioria das pessoas, esta época evoca muita alegria e espírito de solidariedade, momento em que, mesmo que financeiramente não tenha sido um bom ano, procuramos partilhar com os nossos familiares, amigos e parentes o pouco que temos, irmanados num só espírito. Isso ocorre no mundo todo, mesmo naqueles países com outras orientações religiosas.
Algumas pessoas, no entanto, costumam, nesta época, ficar tristonhas e um pouco deprimidas por vários motivos: a ausência de pessoas queridas que se foram no decorrer do ano que termina; a saudade de pessoas que estão muito distantes; o medo do que há por vir no ano novo e por aí vai. Isso tudo também é muito natural, embora fuja um pouco do espírito natalino e cristão.
Nesses momentos, também nós, voluntários e colaboradores da Fundação Padre Albino, como não poderia deixar de ser, entramos no clima festivo e fraterno. Porém, antes procuramos fazer um pequeno retrospecto de como foi o ano que se encerra para constatar se a Fundação cumpriu ou não com a sua missão, manteve sua visão e preservou seus valores, como nos legou seu fundador e benfeitor Padre Albino.
Não foi um ano fácil como, aliás, previmos no final do ano passado. Foram muitas angústias e percalços que tivemos que superar ao longo do ano para que a Fundação se mantivesse firme e prestando os serviços que a população precisa nas áreas da saúde, educação e assistência social.
A crise econômica, política, moral e ética que assolou o país neste ano trouxe muitas consequências indesejáveis para todos os cidadãos, bem como para as instituições, sobretudo as filantrópicas que prestam serviços de saúde ao SUS. Em momentos decisivos que antecederam a queda do governo petista, o próprio governo admitia que não haveria recursos suficientes para honrar o trimestre final do ano em curso. Como se já não bastassem os prejuízos causados por anos e anos sem reajuste da tabela, sobrevinha então um novo pesadelo, o de não receber nem mesmo pelos serviços prestados, ainda que defasados.
A angústia só terminou quando, efetivada a troca de governo, o novo ministro - especialista em orçamento público - anunciou que não só pagaria pelos serviços a serem prestados nos meses finais do ano como se comprometeu a pagar pelos serviços prestados além do contratado no ano de 2016 e de anos anteriores. Pelo menos até agora tem cumprido fielmente com sua promessa.
Apesar de todas as adversidades, a Fundação teve um ano bastante ativo, com muitos avanços e conquistas importantes. O curso de Pedagogia foi avaliado pelo MEC como o melhor do Brasil; o curso de Medicina foi avaliado entre os 15 melhores do Estado de São Paulo e o Colégio Catanduva iniciou o curso de Técnico em Enfermagem. Lançamos em fevereiro a campanha de captação de recursos para o Hospital de Câncer de Catanduva, cujos resultados vêm surpreendendo até nós mesmos; reestruturamos a Unidade de Urgência e Emergência do HPA; as obras da Radioterapia estão em fase final; inauguramos as novas instalações para os cursos de Educação Física; reativamos o Programa 5S nos dois hospitais; reformamos o Pronto Atendimento, o 3º, 4º e 5º andares do HPA; o AME Catanduva foi avaliado como um dos melhores do Estado de São Paulo; implantamos a gestão de custo hospitalar; iniciamos os preparativos para a certificação em qualidade hospitalar no HPA e HEC e acreditação no AME; adquirimos imóvel nas proximidades do HPA para ampliação do plano de saúde; conquistamos o primeiro lugar no concurso Referências da Saúde 2016 da Revista Saúde Business com o case “OPME – Desafio na Gestão, Conflito de Interesses”; mais de 2.000 pessoas foram atendidas com a atividade “Fundação Padre Albino na Praça”; a VESTFIPA recebeu 1.427 alunos de 37 escolas; concluímos, com êxito, o processo de regulação do Pronto Socorro; o MEC autorizou mais 36 vagas para o curso de Medicina, que passou a oferecer 100 vagas a partir de 2017; a OAB Federal cumprimentou o desempenho dos alunos do curso de Direito da FIPA no exame da Ordem; muitos equipamentos novos foram adquiridos graças a emendas parlamentares etc. Isso para ficarmos só nas ações de maior destaque; porém, muitas outras foram realizadas, cujos benefícios recairão diretamente sobre a população assistida.
Além disso, melhoramos significativamente a qualidade no atendimento aos nossos usuários, com excelentes avaliações diretas e indiretas. No programa Santas Casas Sustentáveis mantivemos os dois hospitais entre os melhores do Estado de São Paulo. Nosso planejamento estratégico continua a todo vapor, pavimentando a administração profissional que virá em breve. Financeiramente estamos equacionados; todavia, temos ainda pela frente vários projetos que demandarão muitos recursos. Temos mantido contatos tanto no governo estadual quanto no federal, além de excelente intercâmbio com diversos parlamentares desses dois níveis de governo e também no municipal, com perspectivas de novos aportes financeiros.
Enfim, o espaço aqui não será nunca suficiente para descrever todas as ações que a Fundação desenvolve no decorrer de um ano, mesmo considerando os significativos déficits produzidos pelos seus hospitais e Recanto Monsenhor Albino, sempre cobertos com recursos de seu Departamento de Ensino e plano de saúde.
Sem a intenção de jogar confete sobre a própria cabeça, penso que se Padre Albino vivo estivesse, aprovaria com louvor a atuação de sua Fundação neste ano que termina. Tendo sido de um temperamento austero, exigente e às vezes intransigente, segundo dizem os historiadores, certamente ele ainda faria algumas observações, com as quais concordaríamos, pois as necessidades da população são intermináveis e com os governos que temos tido sempre haverá um grande hiato entre o ideal e o possível. Mesmo assim está claro que a Fundação mais uma vez cumpriu com sua missão, ampliou sua visão e manteve-se firme em seus valores.
Que venha 2017 e com ele os novos desafios e novas esperanças.
Feliz Natal e Próspero Ano Novo!

José Carlos Rodrigues Amarante
Presidente da Diretoria Administrativa

Sair