É preciso acreditar

Nesta época do ano fico sempre um pouco decepcionado com os meios de comunicação, sobretudo com os jornais e revistas, que começam a fazer a retrospectiva do ano que se finda – dando preferência para os fatos negativos – e o próprio jornal ou seus articulistas e entrevistados (geralmente economistas) fazem profecias para o ano que vai se iniciar. Quase todas apocalípticas.
Não sou ingênuo e sei que as expectativas não são realmente muito boas. Porém, o que me incomoda são os exageros, que induzem a um pessimismo desnecessário e acabam num círculo vicioso. Quanto mais negativamente pensamos, mais fatos negativos produzimos e quanto mais fatos negativos produzimos, mais aumentam nossos pensamentos negativos, numa espiral interminável. Isso não leva a nada, ou melhor, leva à depressão e ao imobilismo.
Na edição anterior relacionei algumas das ações importantes realizadas pela Fundação Padre Albino em 2016, não todas evidentemente, apesar de um ano difícil para a economia nacional e para as Santas Casas e Hospitais Filantrópicos em particular. Pode ter sido mais um milagre de Padre Albino? Pode, mas também fizemos o dever de casa e não ficamos parados a lamentar o infortúnio e a esperar pelo pior. Fomos à luta, acreditamos que era possível e o possível se tornou realidade. Poderia ter sito diferente? Sim, poderia, mas ainda assim ficaria a certeza do dever cumprido, da esperança em dias melhores através do trabalho e da conquista; o milagre certamente viria por acréscimo.
Com tudo o que relatamos, ainda faltaram algumas notícias, como o curso de Medicina da FIPA, a nossa querida FAMECA, que recebeu o selo de Acreditação pelo Conselho Federal de Medicina e pela Associação Brasileira de Educação Médica (Abem). Não é pouca coisa, pois esta certificação colocou a FAMECA entre as 19 (dezenove) escolas médicas brasileiras acreditadas no Brasil e entre as 03 (três) únicas faculdades de medicina acreditadas no Estado de São Paulo. O processo de acreditação é realizado pelo Saeme - Sistema de Acreditação de Escolas Médicas. As outras duas foram a Famerp, de São José do Rio Preto, e a Faculdade de Medicina de Jundiaí. Interessante notar que em Rio Preto o fato foi notícia de primeira página na imprensa local, enquanto aqui em Catanduva foi uma pequena notícia nas páginas internas do jornal local. Será que Rio Preto sabe valorizar melhor suas instituições? Fica também uma lição para muitos estudantes que não valorizam os cursos caseiros, achando, talvez, que os de fora são melhores. Provamos que não. Os nossos são tão bons ou melhores que os outros.
Ainda na área educacional, a FIPA conseguiu aprovar um trabalho de pesquisa científica no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) dentre as 4.587 propostas enviadas, a grande maioria de Instituições Federais e Estaduais. O projeto será desenvolvido na Unidade Didática e de Pesquisas Experimentais e no Laboratório de Imuno-Histoquímica da FIPA. A Famerp também teve uma pesquisa contemplada e também foi notícia de primeira página. Aqui novamente foi notícia de página interna.
Na campanha Abracehcc, para a conclusão das obras da Radioterapia, atingimos a cifra de R$ 1.645.069,60 até final de novembro. Estamos aguardando liberação da compra do acelerador linear pelo Ministério da Saúde, por ora travada na burocracia, e pela Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo a liberação de cerca de R$ 2.000.000,00 prometidos pelo secretário Dr. David Uip.
Assinamos junto à Secretaria de Estado da Saúde um convênio no valor de R$ 300.000,00 destinados pela deputada catanduvense Beth Sahão para compra de equipamentos para o Hospital Padre Albino. A verba ainda não foi liberada, mas promessa feita, promessa cumprida. Ficamos agora na esperança de outra promessa no valor de R$ 200.000,00 para o Hospital de Câncer de Catanduva. Acreditamos que virá em breve.
Também com relação ao processo de beatificação do Servo de Deus Padre Albino tivemos novidades. Segundo o Padre José Luiz Cassimiro, Vice-Postulador da Causa, o processo venceu etapas na Fase Romana com a indicação do relator, Frei Kijas, que já redigiu a Positio (posição sobre as virtudes), será impressa e apresentada à Comissão de Teólogos e à Comissão de Bispos e Cardeais da Congregação das Causas dos Santos. Lembro que essa causa está sendo integralmente financiada pela Fundação Padre Albino e já ultrapassou a cifra de R$ 200.000,00. Acreditamos firmemente na canonização de nosso patrono.
Acreditamos também que as nuvens negras, tão largamente profetizadas pelas aves agourentas do apocalipse, não passarão de sombras de um passado recente de desgovernos. Acreditamos que, mesmo com todas as dificuldades, 2017 será um ano de grandes oportunidades e correção de rumos. Acreditamos que podemos fazer mais e melhor do que fizemos desde que não fiquemos feito carpideiras a chorar e lamentar o infortúnio, incapazes de levantar-se e ir à luta por uma melhor sorte.

José Carlos Rodrigues Amarante
Presidente da Diretoria Administrativa 

Sair