Cem anos de solidariedade

O título acima, como o leitor já percebeu, é uma paródia à famosíssima obra “CEM ANOS DE SOLIDÃO”, do não menos famoso escritor colombiano Gabriel Garcia Marques (1927-2014), publicada pela primeira vez no ano de 1967; portanto, completando 50 anos. O romance, claro, é ficcional e conta a saga da família Buendia-Iguarán e sua pequena aldeia, Macondo. Não é minha intenção fazer um paralelo entre o conteúdo da obra citada, mas tão somente ao título, para introduzir o assunto que dominará as comemorações da Fundação Padre Albino no próximo ano: OS CEM ANOS DA CHEGADA DE PADRE ALBINO EM CATANDUVA (1918-2018).

Catanduva – que também completará 100 anos de emancipação político-administrativa no ano que vem – não foi fundada por Padre Albino. Mas com a sua chegada aqui no mesmo ano em que nascia o Município é praticamente como se tivesse sido fundada por ele. Não tenho conhecimento de outra personalidade, antes ou depois de Padre Albino, que tenha feito por Catanduva tanto quanto ele fez. Já relacionei aqui, neste espaço, todas as obras conhecidas e catalogadas de Padre Albino. Certamente houve outras menos conhecidas e provavelmente não registradas, que de uma forma ou de outra trouxeram algum benefício para muitas pessoas de Catanduva ou da região. Sem falar ainda nos prováveis milagres que tenha intercedido em particular. Mas isto, por enquanto, é assunto da Santa Sé.

A Fundação Padre Albino, como não poderia deixar de ser, está preparando muitas atividades para o centenário da chegada de Padre Albino. Para tanto foi criada uma comissão exclusiva que conta com pessoas que conheceram pessoalmente Padre Albino e suas grandes obras. Algumas delas colaboraram diretamente nas obras, outras ainda participam ativamente em algumas delas.

Penso que todos nós temos muito a agradecer a Padre Albino e por isso convido a todos e a cada um dos cidadãos catanduvenses e da região para participarem ativamente da maioria dos eventos que puderem. Será a nossa forma de agradecimento, e tenho certeza de que Padre Albino de onde estiver estará mais do que nunca velando por nós, através de suas grandes obras de benemerência.

A obra citada de Marques é estilo realismo mágico. As obras de Padre Albino são de estilo realismo puro. Catanduva não é Macondo, nem há por aqui solidão nas famílias. O Padre nos deixou o exemplo de que em vez da solidão é a solidariedade que conta. E essa é eterna; não dura apenas cem anos.

Boa leitura!

Sair