2018 promete

Aqui estamos nós, em 2018, ano que iniciamos com muitas esperanças de realizações e também com promessas de muitas emoções. A começar pela comemoração dos cem anos da chegada de Monsenhor Albino em Catanduva; a expectativa ansiosa da chegada do acelerador linear da radioterapia; a instalação definitiva do Centro Universitário Padre Albino – Unifipa e seus novos cursos; o processo de profissionalização que está prestes a ser implantado; a retomada do crescimento da economia brasileira e, finalmente, culminando com as eleições majoritárias que prometem muitas emoções.

Podemos afirmar que 2017 não foi um ano ruim para a Fundação Padre Albino, porém foi um ano muito difícil de ser atravessado. Algumas expectativas que tínhamos não se concretizaram e ainda tivemos alguns contratempos, como atrasos nos recebimentos, mas nenhum compromisso deixou de ser honrado. Ficaram pelo caminho alguns companheiros de jornada, parentes, amigos e também alguns voluntários do HCC. A saudade e o exemplo que deixaram nos impulsionam a dar sequência à missão.

O que nos anima e sustenta, também, são as inúmeras pessoas que têm abraçado conosco a causa do HCC; a elas devemos grande parte das nossas conquistas até aqui. Uma dessas pessoas que não canso de agradecer – pedindo antecipadamente perdão para todas as outras cujo espaço não me permite nominar – é a Lourdinha Fávero e suas companheiras voluntárias do Ateliê “Amor ao próximo”. De pouquinho em pouquinho, com seus graciosos artesanatos confeccionados a partir de material doado, acrescentaram ao Captômetro R$ 55.380,00 só em 2017, provando que amar ao próximo exige mais que palavras; exige ação, abnegação e responsabilidade. Nunca vou esquecer que a Lourdinha foi a primeira a aderir ao “HCC, abrace essa causa”.

No mesmo patamar estão os grupos “Voluntários do Bem” e o Clube de Rodeio “Os Bravos”. O primeiro capitaneado pelos incansáveis Luciana e Paulo Vargas e a elétrica Silene Favali e o outro pelos dinâmicos Cláudio Romagnolli e Lino Lima. Só em 2017 aportaram R$ 208.409,55 e R$ 121.153,00, respectivamente, ao Captômetro. Cito apenas estes porque são voluntários de primeira hora. Não quero ser injusto, contudo, com tantos outros voluntários, anônimos ou não, que têm sido de suma importância para a realização do projeto. Todas as colaborações foram indistintamente registradas nos sites do HCC e da FPA. Todos já estão no coração de Padre Albino e no nosso coração também.

As emendas parlamentares dos deputados Dr. Sinval, Beth Sahão e Marco Vinholi são e serão de extrema importância para a conclusão do projeto, já que parte delas ainda não foram efetivamente liberadas. Sem elas dificilmente conseguiríamos concluir o projeto.

Neste exato momento estamos nos preparando para receber em Catanduva o acelerador linear, que já se encontra no Brasil; mais precisamente em Barueri aguardando os procedimentos de desembaraço. As últimas informações dão conta de que deverá aqui chegar em meados de fevereiro; talvez antes. Vamos comemorar em grande estilo sua chegada. Catanduva, nos seus cem anos de emancipação, merece um presente como esse.

Com todas essas previsões alvissareiras, resta-nos agora esperar pela realização da promessa feita pelo Dr. David Uip, de liberação dos dois milhões de reais prometidos para a conclusão da estrutura física do prédio da Radioterapia. Acreditamos que irá cumprir a promessa, conforme nos tem informado o deputado Marco Vinholi, relator do Orçamento paulista de 2018. Só esperamos que o dinheiro chegue a tempo.

Boa leitura!

Sair